A obesidade se caracteriza pelo excesso de gordura no corpo. O acúmulo de gordura ocorre quando há maior ingestão de calorias que gasto energético ao longo dos anos. É uma doença que atinge 600 milhões de pessoas no mundo e 30 milhões no Brasil, segundo dados do último levantamento realizado pelo IBGE. Se contar a população com sobrepeso, os números sobem para quase dois bilhões de pessoas no mundo e quase cem milhões no País. Por isso, é urgente tomar medidas de prevenção e buscar tratamentos que apresentem resultados eficientes quando os pacientes não respondem mais a dietas e medicamentos.

 

Quem sofre com a obesidade

A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma que a obesidade é um dos maiores problemas de saúde pública atualmente, e estima que, em 2025, mais de 700 milhões de pessoas sofrerão com obesidade e 2,3 bilhões de adultos terão sobrepeso. Se não houver mudanças na política pública, principalmente das nações mais influentes, o número de crianças com sobrepeso ou obesidade pode chegar a 75 milhões em dez anos.

 

Principais doenças associadas à obesidade

A obesidade e o sobrepeso podem desencadear ou agravar muitas doenças, como apneia, infertilidade, problemas de coagulação, além de outras mais graves, que podem levar à morte.

Hipertensão arterial

É a principal causa de morte no mundo, com 17,3 milhões/ano. O Brasil é o sexto país com maior número de mortes por hipertensão no mundo. A doença atinge, segundo a OMS, 30% dos brasileiros.

Diabetes

É considerada uma epidemia mundial, que atinge mais de 246 milhões de pessoas adultas. No Brasil, mais de 10 milhões de pessoas sofrem com essa doença.

Problemas articulares

A estrutura óssea sofre com a sobrecarga do peso, por isso, pessoas obesas são mais propensas a apresentarem dores crônicas, hérnia de disco e desgastes nas articulações, principalmente dos membros inferiores.

Câncer

Há fortes indícios na bibliografia especializada da relação entre obesidade e o aumento do risco de tumores malignos de mama, endométrio, vesícula, próstata e intestino grosso.

Esteatose hepática e cirrose hepática

De acordo com a Sociedade Brasileira de Hepatologia (SBH), 80% dos pacientes com sobrepeso apresentam alguma doença no fígado.

 

Causas da obesidade

A obesidade surge, na maioria dos casos, da interação entre fatores genéticos, ambientais, emocionais e hábitos de vida. Entre os fatores mais comuns, estão:

Alta ingestão de alimentos/calorias: Resumidamente, caloria é o valor energético de cada alimento, ou seja, o tanto de energia que determinado alimento fornece o organismo. Grosso modo, quanto mais calórico for o alimento, mais esforço o organismo precisa fazer para “gastá-lo”, ou seja, a ingestão de calorias deve ser proporcional ao gasto calórico. A energia não utilizada pelo corpo se acumula em forma de reserva de gordura.

Sedentarismo: A falta de atividades físicas é uma das principais causas da obesidade e outras doenças graves, como diabetes e hipertensão. A prática regular de exercícios físicos é fundamental para quem necessita manter ou perder peso e deve ser acompanhada por um profissional qualificado.

Fator genético: A relação entre fatores genéticos e obesidade é bastante forte. Pesquisas mostram que quando um dos pais é obeso, a possibilidade dos filhos serem obesos é de 50%; quando ambos os pais apresentam obesidade ou sobrepeso, esse número pode subir para 80%.

Problemas hormonais: São muitos os hormônios que controlam, desde a vontade de comer e a sensação de saciedade, até outras funções mais complexas do metabolismo. Quaisquer alterações nas glândulas suprarrenais e tireoide, além do hipotálamo, devem ser investigadas e tratadas.

 

Prevenção

Conhecer os fatores que desencadeiam e estar atento aos primeiros sinais de distúrbios alimentares é importante para prevenir a obesidade. É fundamental cuidar de pessoas próximas e buscar ajuda especializada, já que quem sofre de distúrbios alimentares costuma negar ou esconder o problema.

Criar hábitos alimentares saudáveis e praticar exercícios físicos regularmente, educar e estimular as crianças para que optem por alimentos saudáveis, menos processados e pobres em gorduras e açúcares é uma forma de evitar o sobrepeso e a obesidade.

 

Tratamentos

Em um primeiro momento, recomenda-se tratamento clínico, com uma equipe de multiprofissional. É muito importante que a atuação seja conjunta e integrada por médicos, nutricionistas, psicólogos e educadores esportivos.

Um dos tratamentos auxiliares contra a obesidade é o balão intragástrico. Indicado para pessoas com IMC superior a 27 (clique aqui para calcular seu IMC), o balão é colocado no estômago por meio de procedimento endoscópico e funciona diminuindo o espaço da cavidade gástrica, aumentando a saciedade e diminuindo a fome.

obesidade